05/06/15 por Casimiro Perez

No artigo anterior, falamos sobre como liderança não é um dom ou um privilégio para poucos. Qualquer um, independente de empresa, posição, cargo, idade (e qualquer outra condição que você queira adicionar) pode ser um líder. Mas agora vamos fechar um pouco mais o foco para aqueles em posições em que precisam exercer a liderança, mas nem sempre o fazem: gestores de equipes.

Consultoria GPTW

Nossos treinamentos vão muito além de explicar o quê – mostram como fazer. O formato prático e vivencial permite que os fundamentos da cultura Giftwork® – aquela das Melhores Empresas – seja acessível para qualquer funcionário em qualquer empresa. Liderança pode (e deve) ser exercida por todos!

» Receber proposta

Um conceito interessante que livros sobre liderança como, por exemplo, O Monge e o Executivo procuram explicar, é a diferença entre poder e autoridade. Tanto o poder como a autoridade podem ser usados para o mesmo fim – fazer com que as pessoas sigam a sua vontade. Contudo, há uma diferença crítica entre os dois conceitos: o poder é dado a você por sua posição, e as pessoas irão fazer o que você quer simplesmente porque não têm outra escolha. Já a autoridade é conquistada, e as pessoas irão colaborar com você porque querem. Não preciso nem dizer qual desses atributos está mais presente entre os líderes das Melhores Empresas para Trabalhar, certo? 

Para conquistar essa autoridade, o primeiro passo é, obrigatoriamente, criar uma relação de confiança entre líderes e liderados. Podemos decompor essa relação em três principais frentes: credibilidade, respeito e imparcialidade. Para isso, criamos uma checklist com algumas atitudes que você deve ter para chegar lá:

Para ser um líder confiável, eu preciso (minha empresa precisa):

 

  • Escolher pessoas que se enquadram bem ao fazer novas contratações.
  • Ajudar meus liderados a encontrarem um significado no trabalho.
  • Informar meus liderados sobre decisões importantes.
  • Envolvê-los com essas decisões, levando a sério suas sugestões.
  • Agradecer sinceramente sempre que alguém dá o melhor de si.
  • Oferecer ferramentas e ajudar a planejar o desenvolvimento de carreira de cada um.
  • Criar um ambiente seguro (fisicamente, psicologicamente e emocionalmente) e cuidar e proteger os interesses de minha equipe.
  • Comemorar as conquistas realizadas.
  • Compartilhar os resultados da empresa com todos os colaboradores, inclusive no lado financeiro.

Por fim, existem diferentes maneiras de cumprir esses itens acima, mas queremos que você entenda que sempre há maneiras de cumpri-los com baixos investimentos para você ou para a empresa, e ao mesmo tempo oferecendo algo que tenha um grande valor para quem irá recebê-lo. Esse conceito é chamado de Giftwork.

Por exemplo, um agradecimento presencial/em público pode significar muito mais que um aumento ou um dia de folga. Tudo depende: da pessoa, da situação e das necessidades. Por isso, é imprescindível conhecer cada colaborador. 

Ao receber e aceitar uma prática Giftwork, o funcionário irá naturalmente querer retribuir, o que vem na forma de comprometimento, esforço, produtividade, entre outros, criando um círculo virtuoso de construção da confiança, levando a um excelente ambiente de trabalho.

Quer aplicar os conceitos do Giftwork para construir um ambiente de confiança em sua empresa? O Great Place to Work oferece o treinamento Joruney!, único no mundo e que ensina gestores a utilizarem as práticas Giftwork no dia a dia. Conheça mais sobre o Journey.

Conteúdos Relacionados